Jovens sindicalistas da cebtral sindical norte americana realizam intercâmbio com juventude da CUT

Fonte: CUT Nacional

Uma delegação de jovens da central sindical norte-americana AFL-CIO participa desde segunda-feira (21) de um intercâmbio com a juventude da CUT.

Esta é a primeira vez que há um intercâmbio formal de jovens na AFL-CIO e a escolha do Brasil foi, conforme relato dos próprios dirigentes, devido a experiência de organização da juventude brasileira, em especial a organização dos jovens na CUT.

Para Rosana Sousa, secretária de Juventude da CUT, “é muito importante o reconhecimento legal da Central como referência na organização da juventude a ponto de uma entidade internacional vir conhecer a nossa realidade para extrair e agregar valores levando esta rica experiência para seu país, o que ajudará na consolidação e nos avanços das políticas voltadas aos jovens.”

“É gratificante poder contribuir para a organização de jovens num país como os Estados Unidos, que tem hoje altos índices de desemprego, com a juventude trabalhadora sendo a grande prejudicada. A ideia é mostrar a nossa experiência e reivindicar políticas públicas que combatam a precarização e a pobreza juvenil”, destaca Rosana.

Realidade norte-americana

Nesta terça-feira (22), os dirigentes da entidade fizeram uma pequena apresentação sobre a estrutura e a participação dos jovens no movimento sindical norte-americano.

Segundo relata Gladys Cisneros, membro da juventude da AFL-CIO, os dirigentes possuem grande dificuldade em promover o sindicalismo no país, uma vez que o reconhecimento dos sindicatos é voluntário por parte dos trabalhadores e muitas vezes boicotado pelas empresas.

Ela falou também sobre o relatório “Jovens Trabalhadores: uma década perdida”, produzido pela entidade em 2009, sendo o primeiro estudo sobre a juventude trabalhadora.

Nesta pesquisa constatou-se que 24% dos jovens não conseguem pagar as suas contas. Já o poder aquisitivo do jovem norte-americano é 30% maior quando está no sindicato. Mas no total de sindicalizados, apenas 4,3% tem entre 16 a 24 anos.

Gladys lembra que no mesmo ano foi aprovada uma resolução da AFL-CIO onde ficou definido que as entidades deveriam investir na juventude em todos os estados, principalmente em formação. Já em 2010, a entidade realizou a sua 1ª Conferência Nacional de Jovens, que contou com a participação de mais de 400 jovens de 26 estados.

Tahir Duckett, membro da Working America, entidade filiada a AFL-CIO, afirmou que os jovens norte-americanos estão hoje em uma situação pior que as dos seus pais, lembrando que não há hoje perspectiva para novos empregos, planos de saúde, e outros direitos sociais e econômicos.

“É aí que eu faço uma comparação entre a nossa realidade com a dos jovens tunisianos e egípcios que ajudaram a derrubar os regimes ditatoriais instalados em seus países. Ambos são jovens, sem empregos e oportunidades. Em todos esses países, a economia não consegue gerar empregos suficientes para absorver a mão de obra jovem, o que gera uma mobilização nacional e a luta por melhores condições de vida.”

Ele destacou que a AFL-CIO vem lutando para mudar essa realidade com ações como a criação de um conselho consultivo dos diretores jovens que tirou uma estratégia de organização baseada em quatro eixos:

– Construção de um grupo para organizar jovens no local de trabalho e no sindicato;

– Treinamentos para formar novas lideranças sindicais;

– Montagem de uma estratégia de comunicação que se identifique com a linguagem dos jovens;

– Trabalhar na construção de novas formas de organização de jovens.

Experiência dos bancários e dos químicos no Brasil

Durante o encontro, Adriana Magalhães, dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e Rodrigo Franco Leite, do Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista, expuseram as formas de organização da categoria.

Os dirigentes ressaltaram que os bancários são a única categoria no Brasil a ter um acordo coletivo nacional que representa tanto o setor público como privado. Falaram também sobre as conquistas para os jovens instituídas na convenção coletiva, como a clausula para abono de falta do estudante.

Já Alex Fonseca e Carlos Brito (Carioca), do Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Márcio Cruz (Bob), do Sindicato dos Papeleiros de Mogi falaram sobre a realidade no setor químico, um dos ramos pioneiros no que tange a organização da juventude, trazendo dados de pesquisas para mostrar a atual distribuição da juventude.

Semana de atividades

A partir desta quarta (23), os dirigentes da AFL-CIO estão em Recife, onde a juventude da CUT apresenta algumas experiências de organização, com destaque para a Plataforma por políticas públicas para a juventude a e recente constituição da Secretaria Nacional.

A delegação norte-americana conhecerá também a experiência da Escola Sindical Nordeste, a política de formação da juventude e a relação estabelecida entre a juventude da CUT e os movimentos sociais juvenis.

0 Responses to “Jovens sindicalistas da cebtral sindical norte americana realizam intercâmbio com juventude da CUT”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





 

Este é um espaço reservado para denúncias de práticas antissindicais, assédios e ataques a direitos.

JP no Twitter

Estatísticas

  • 142,561 hits

%d blogueiros gostam disto: