Arquivo de janeiro \23\UTC 2012

Acidente na Base do OPASC

Na sexta-feira, dia 13 de janeiro, aconteceu um acidente de trabalho de grande proporção na região do município de Tijucas, em Santa Catarina. Um técnico de faixa de dutos da Transpetro, lotado no OPASC, acompanhado de um trabalhador terceirizado da empresa Possebom, dirigia uma camionete em local de difícil acesso e de aclive acentuado, nas proximidades do km 224 da BR 101, quando perdeu o controle em função das condições do terreno. O veículo capotou por cerca de dez vezes ladeira abaixo.

O terceirizado nada sofreu. Já o técnico da Transpetro não teve a mesma sorte. Sofreu cortes profundos nos dedos, com esmagamento, e também nas mãos.  O técnico foi atendido na rede pública e teve apenas o tratamento dos cortes das mãos com curativos. Ao término do atendimento, o médico emitiu um atestado com afastamento de sete dias do trabalho.

A notícia do repouso médico mal caiu no ouvido da Transpetro e começou a coação por parte da Gerência. A empresa pressionou-o para voltar ao trabalho na segunda-feira seguinte ao acidente (16/01). Por orientação dos companheiros, ele não cedeu às pressões. Ficou evidente qual é a real preocupação da empresa: omitir acidentes com afastamento para mascarar as metas, ainda que elas tenham sido excluídas com a celebração do Acordo Coletivo de Trabalho 2011/2013.

Retrocesso

Em um primeiro contato para tratar do acidente, a Gerência da Transpetro havia concordado com a participação do Sindicato na Comissão de Investigação, mas foi só da “boca para fora”. No Documento Interno Petrobrás (DIP) sobre o assunto, o Sindicato ficou de fora da Comissão.

Diante desta postura, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina vai apertar ainda mais o cerco e também questiona o transporte de um terceirizado, o que caracteriza pessoalidade e subordinação do empregado não-efetivo perante a empresa. Além disso, terá que explicar porque designou um trabalho com alto grau de risco, sem que as devidas medidas de segurança tenham sido tomadas.

http://www.sindipetroprsc.org.br/noticia.php?id=421

ProUni recebeu 733 mil inscrições para bolsas

 

O Programa Universidade para Todos (ProUni) já recebeu 733 mil inscrições de candidatos interessados em uma das 195 mil bolsas de estudo disponíveis para o primeiro semestre de 2012. O processo vai até quinta-feira, exclusivamente pela internet. Os números foram contabilizados até o meio-dia desta terça-feira (17), quarto dia das inscrições.
São Paulo teve o maior número de inscrições até às 12 horas, com 280.412; Minas Gerais em segundo, com 165.259; depois Bahia, 96.781; Rio de Janeiro, 95.891 e Rio Grande do Sul, 94.539.

Ao acessar o sistema, o estudante pode escolher até duas opções de cursos, indicando sua prioridade. Podem participar do ProUni estudantes que cursaram todo o ensino médio em escola pública ou que estudaram em colégio particular com bolsa integral. Também é necessário ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011 e alcançado pelo menos 400 pontos na média das provas objetivas e não ter zerado a redação.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o maior número de inscrições veio de São Paulo: mais de 280 mil. Em seguida, vêm Minas Gerais, com 165 mil; Bahia, com 96 mil; Rio de Janeiro, com 95 mil; e Rio Grande do Sul, com 94 mil. Do total de bolsas oferecidas, 98 mil são integrais e 96 mil, parciais, que custeiam 50% da mensalidade. O benefício integral é destinado àqueles com renda familiar per capita mensal de até 1,5 salário mínimo. As bolsas parciais podem ser pleiteadas por quem tem renda familiar per capita de até três salários mínimos

A lista dos aprovados em primeira chamada está prevista para 22 de janeiro. Os selecionados deverão comparecer à instituição de ensino onde conseguiram a bolsa no período de 23 de janeiro a 1° de fevereiro para apresentar a documentação necessária e providenciar a matrícula. Após esse processo de confirmação, será divulgada a segunda chamada no dia 7 de fevereiro. Ao fim das duas chamadas, o sistema vai gerar uma lista de espera para preencher as bolsas remanescentes. Os interessados em participar dessa lista deverão fazer o pedido no próprio site do ProUni entre 22 e 24 de fevereiro.

Fontes: Agência Brasil/MEC

O “Miriam Leitão” do petróleo

Por Brizola Neto

Publiquei, há pouco, no blog Projeto Nacional um texto sobre o farto besteirol que o sr. Adriano Pires – uma espécie de Miriam Leitão da área de energia – que é figurinha repetida na Globo e na grande mídia.

Este ex-”capa preta” da ANP – no tempo em que a ANP leiloava as melhores áreas de nosso petróleo com lances mínimos que não davam para comprar um quarto-e-sala no Leblon – publica hoje dois artigos de “análise” do setor energético.

Os dois, claro, criticando o Governo e defendendo as mesmas posições das multinacionais, do petróleo e da eletricidade.

É, como já disse dele o blog do Augusto Fonseca, na época da campanha do Serra, quando o professor Pires chegava a negar que o Brasil tivesse crescido sob Lula – puro besteirol.

Diz que a falta de leilões novos – como eles têm pressa em leilões, não é? – está comprometendo as novas descobertas de petróleo. Curioso é que, enquanto ele mandava os artigos, o Upstream, um dos mais respeitados sites sobre petróleo no mundo, dizia que o Brasil liderava, com folga, as novas descobertas em 2011.

Depois, ele critica o preço das tarifas de energia – não por serem altíssimos, claro, mas porque o Governo baixou e está baixando regras para reduzir seu preço.

Entre outras sandices, diz que não adianta o BNDES estar investindo pesado em geração eólica – limpíssima – no Nordeste, porque não há linhas para “exportar” essa energia para “os centros de carga do Sudeste”.

É muita cara-de-pau de um homem que se diz especialista em energia dizer isso, porque o Nordeste é importador e não exportador de energia elétrica. Está fresquinho, publicado em dezembro, o Anuário Estatístico de Energia Elétrica, que mostra que a região produz 12% da eletricidade do país e consome 17%. E subindo, viu, porque em 2010 ela se tornou o segundo maior consumidor, ultrapassando a região Sul.

O “especialista” vende gato por lebre na mídia, mas o rabo do gato ficou de fora…

Cuba supera EUA e tem a menor taxa de mortalidade infantil da América

O índice de mortalidade infantil de Cuba neste ano registrou uma marca de 4,9 bebês a cada mil nascidos, a menor de todo o continente americano, incluindo Canadá e Estados Unidos, informou um relatório divulgado hoje.

Dados do Ministério de Saúde Pública de Cuba, que foram publicados pela imprensa local nesta terça-feira (3), ainda divulgaram que a região de Las Tunas, no leste do país, registrou 3,5 mortes a cada mil.

“Nos últimos quatro anos, Cuba alcançou cifras inferiores a 5 na taxa de mortalidade infantil, a mais baixa das Américas, junto ao Canadá”, publicou o jornal Granma. Em 2010, no entanto, os dois países apresentaram uma taxa de mortalidade de 5,9.

Segundo a publicação cubana, esse êxito se dá graças “à política sanitária do governo revolucionário, que garante a igualdade no que diz respeito ao acesso aos serviços assistenciais que são oferecidos a mãe à criança”.

Informações do jornal ainda apontam que houve cerca de 133 mil nascimentos nos país durante 2011, uma cifra que supera a registrada no ano anterior em 5.317 crianças.

Fonte: Ansa Latina

Título (opcional)

Título (opcional)

Criança cubana na comemoração de 1º de Maio.



 

Este é um espaço reservado para denúncias de práticas antissindicais, assédios e ataques a direitos.

JP no Twitter

Estatísticas

  • 150,296 hits